Breaking News

terça-feira, 2 de março de 2010

Dilma fala em PAC 2. Mentira! É só botox!

Nacional - Dilma Rousseff, a candidata do PT, vem mentindo sistematicamente a respeito do PAC. As obras vem tendo as suas datas modificadas em relação ao plano original, para que as novas datas incorporem os "mega-atrasos". Vamos desenhar para o eleitor? O pedreiro chega na sua casa e diz: " vou terminar este puxadinho no dia 15 e vai custar R$ 500". Quando chega perto do dia 15, o pedreiro avisa: " vou terminar este puxadinho no dia 30 e vai custar mais R$ 250". Este é o PAC da candidata mentirosa. O prazo vai sendo dilatado e os preços vão subindo, para contemplar as gordas comissões, as propinas, as falcatruas com as grandes construtoras. Quando Dilma fala no PAC 2, é o mesmo PAC 1 maquiado, com botox, igualzinho à cara dela. O PAC 2 é o PAC 1 com cirurgia plástica. Do jeito que a coisa vai, a Dilma é a "vó do PAC".
...........................................................................................................................................................
Aqui a matéria da Folha de São Paulo. Vamos repercutir nos Blogs pela Democracia.

O governo federal maquiou balanços oficiais para encobrir um mega-atraso nas principais obras do PAC. Três de cada quatro ações destacadas no primeiro balanço do programa não foram cumpridas no prazo original. Lançado em 2007 com o objetivo de impulsionar a economia, o Programa de Aceleração do Crescimento é usado hoje pelo presidente Lula para certificar o que seria a capacidade de gerenciamento da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil). Pré-candidata ao Planalto, foi apelidada por Lula de "mãe do PAC". No início do mês passado, Dilma comandou a divulgação do balanço de três anos do programa afirmando que 40% das ações previstas haviam sido cumpridas até aquele momento. Nas principais obras, apontava conclusão de 36%.
Mas esse documento oficial, fartamente ilustrado, passa ao largo dos gargalos de calendário: nele é divulgada uma profusão de carimbos verdes com a palavra "adequado" para cada uma das principais obras, com pequenas exceções de carimbos amarelos ("atenção") e vermelhos ("preocupante"). A maquiagem das informações fica evidente em consultas ao primeiro balanço oficial do PAC, de maio de 2007, e aos oito seguintes. Neles, descobre-se que muitas das obras que ostentam o carimbo verde passaram por uma revisão de metas e tiveram o seu prazo de conclusão dilatado, sendo que, para algumas delas, o desfecho foi postergado para a próxima gestão. Isso sem que o governo fizesse menção, de um balanço a outro, à mudança dos prazos. Além da manutenção do carimbo verde em obras com cronograma estendido, os balanços oficiais exibem outras manobras de maquiagem. Uma delas consiste no fatiamento da obra para que a conclusão de ao menos parte da ação ocorra no prazo. Outra mantém prazo de entrega, mas troca o objeto: em vez de conclusão da obra física, a meta passa a ser só "entrega do projeto". Além disso, há casos de a ação atrasada simplesmente desaparecer nos balanços seguintes. O primeiro balanço oficial do PAC se refere ao quadrimestre que vai de janeiro a abril de 2007. Destaca 76 grandes obras e ações, todas com metas estabelecidas. Ao confrontar esse documento com os balanços seguintes -principalmente com o último, o de três anos do programa-, constata-se que 75% dessas obras (57) sofreram atraso no cronograma, sendo 11 delas empurradas para o próximo governo, que assume em janeiro de 2011. Desse montante de 57 ações que não cumpriram a meta inicial, 38 ainda estão em andamento. Novos cronogramas apontam atraso médio de um ano e meio em relação ao prometido em 2007, mas nos balanços o governo reserva carimbos amarelo e vermelho para apenas seis (16%) delas. O governo sustenta que o sistema de carimbos é só um referencial para o risco de execução das obras e atribui os atrasos a fatores como chuvas, problemas na emissão dos licenciamentos e adaptações nos projetos. Entre as obras que o governo prometeu e entregou no prazo estão a Usina Hidrelétrica Salto Pilão (SC), a Petroquímica Paulínea (SP) e o campo de Frade, na bacia de Campos. Ao lançar a pré-candidatura de Dilma no congresso do PT, no mês passado, Lula elogiou a condução do PAC. "Posso dizer que nunca antes na história do país houve programa de investimento em infraestrutura tão organizado, tão discutido e tão planejado como nós fizemos o PAC."

Fonte: Blogs pela Democracia / Imperatriz na Tela

Nenhum comentário:

Designed By