Breaking News

terça-feira, 21 de julho de 2009

7.632 vagas para professores na UFMA e UEMA

Educação Imperatriz - Professores das redes públicas de sete dos nove estados da região Nordeste, incluindo o Maranhão, podem concorrer a 39.763 vagas em cursos de licenciatura gratuitos que começam em agosto. A Universidade Estadual do Maranhão (Uema) e a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) disponibilizaram 7.632 vagas em licenciaturas.

As vagas são oferecidas por 22 instituições de ensino superior públicas do Maranhão, Ceará, Bahia, Paraíba, Piauí, Pernambuco e Rio Grande do Norte. As inscrições podem ser feitas até o dia 30 deste mês no Portal do Ministério da Educação (http://freire.mec.gov.br).

Ao entrar no portal do Ministério da Educação (MEC), os professores vão fazer a inscrição usando a Plataforma Freire, que traz uma série de informações, como a relação das instituições que têm vagas para este semestre, os cursos, o número de vagas, os municípios onde acontecerá a formação e a modalidade (presencial ou a distância). Todos os cursos são gratuitos e o certificado que o professor receberá é da instituição que promoveu a formação.

As 39.763 vagas para a região Nordeste são para a primeira licenciatura, cursos com 3.200 horas de duração, das quais 400 horas são de estágio obrigatório. As vagas são exclusivas para professores que lecionam nas redes públicas estaduais e municipais e que ainda não têm formação de nível superior, conforme prevê a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Essas vagas foram criadas com o Plano Nacional de Formação de Professores, lançado em 28 de maio deste ano, para ser executado entre 2009 e 2011. Nestes três anos serão abertas mais de 300 mil vagas para docentes que estão no exercício do magistério público da educação básica.

Do total de vagas, 52% são em cursos presenciais e 48% em cursos a distância. O investimento do Governo Federal somará R$ 1,9 bilhão. Os cursos de formação inicial serão oferecidos por instituições públicas de ensino superior, em 17 dos 21 estados que já aderiram ao plano.

O plano oferece cursos de graduação para educadores em exercício no magistério público que estão em uma destas três situações: professor que ainda não tem curso superior (primeira licenciatura); professor com graduação, mas que leciona em área diferente daquela em que se formou (segunda licenciatura), e bacharel sem licenciatura, que precisa de estudos complementares que o habilitem ao exercício do magistério.

A primeira licenciatura tem carga horária de 3.200 horas, sendo 2.800 horas de conteúdos e 400 horas de estágio supervisionado; a segunda licenciatura tem carga horária de 800 horas para curso na mesma área de atuação do professor ou de 1.200 horas para curso fora da área de formação.

Professores - Para participar do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica, o docente da escola pública tem de cadastrar o currículo na Plataforma Freire , onde também escolhe o curso que deseja e faz sua inscrição.

Secretarias de educação - Cabe às secretarias estaduais e municipais de educação informar aos professores sobre os cursos disponíveis na rede de instituições públicas de ensino superior e analisar as pré-inscrições dos professores na Plataforma Freire.

Passo-a-passo:

Veja passo a passo como usar a Plataforma Freire

Acesse a cartilha do passo-a-passo http://freire.mec.gov.br/publico/pdf/como_se_cadastrar.pdf

A Plataforma Freire, criada pelo Ministério da Educação, é a porta de entrada dos professores da educação básica pública, no exercício do magistério, nas instituições públicas de ensino superior. Ao mesmo tempo em que coloca em prática o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica, a plataforma homenageia o educador brasileiro Paulo Freire.

É na Plataforma Freire que o professor vai escolher as licenciaturas que deseja cursar, fazer inscrição, cadastrar e atualizar seu currículo. Construída para ser uma ferramenta de fácil acesso, a plataforma, também, é informativa. Os docentes vão encontrar uma série de dados, como tabelas com a previsão de oferta de cursos, as instituições, as modalidades de formação para o período 2009 a 2011.

Para aproveitar todas as informações disponíveis da Plataforma Freire , o professor precisa fazer um cadastro. Entra na plataforma e clica em primeiro acesso, preenche dados, como o CPF e nome completo, cadastra uma senha (com quatro letras e dois números) e informa o e-mail (se não tiver e-mail, a plataforma tem um campo para criá-lo).

Feito isso, o professor retorna à tela principal e clica em já sou cadastrado, informa CPF e senha e clica em autenticar, então aparece a tela principal da plataforma. Entre a série de ícones informativos, ele vai encontrar o currículo do professor.

Como cadastrar o currículo - Quando clicar em currículo do professor vai aparecer o nome do docente (que fez aquele cadastro inicial). Nesse espaço, ele pode inserir uma foto. No campo seguinte, vai descrever, em poucas linhas, um resumo do currículo (formação, experiências). Salva as informações e passa para o campo seguinte, onde vai detalhar sua formação acadêmica e complementar; no próximo espaço, vai informar sobre a atuação profissional (escolas em que trabalhou e trabalha, as disciplinas, as etapas de ensino); no outro espaço, vai descrever projetos que tenha desenvolvido na escola; nos próximos campos são pedidas informações sobre produção de textos, publicações culturais ou técnicas, participação em congressos e seminários, prêmios e títulos, domínio de idiomas, participação em bancas examinadoras e de orientação.

Escolha de cursos - Depois de cadastrado, o professor deve consultar o ícone previsão de oferta de cursos. Ali, ele encontrará tabelas com a projeção da oferta de cursos, por estado, para os anos de 2009 a 2011. Depois de verificar os cursos disponíveis - para o segundo semestre de 2009, são 54 mil -, o professor pode fazer a pré-inscrição no curso que pretende fazer. Primeiro, seleciona o estado e a área do conhecimento. Feito isso, a plataforma informa a relação de cursos disponíveis (presenciais e a distância). Então, faz a pré-inscrição. Pode fazer até três opções de cursos.

Passo seguinte - A plataforma manda à secretaria estadual ou municipal de educação todas as pré-inscrições de professores. É a secretaria que vai validar a inscrição, autorizar a participação do professor e enviar o nome dele para a universidade que dará o curso.

Professor acompanha a pré-inscrição - Com a senha e o CPF cadastrados, o professor acompanha o andamento da sua pré-inscrição diretamente na Plataforma Freire.

Quatro atores - Para executar o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica, a Plataforma Freire conta com quatro atores: o professor que indica o curso que deseja fazer; a secretaria estadual ou municipal que valida a inscrição e autoriza a participação no curso; a rede de instituições públicas de ensino superior que matricula e faz a formação; e a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que coordena todo o processo e avalia a qualidade.

Fonte: Secom-Ma.

Nenhum comentário:

Designed By